layout: post title: Nazismo, ideologia de extrema-direita tags:

  • Brasil
  • Nazismo
  • Politica —Eu tenho esse texto guardado faz algum tempo. Não é meu, eu apenas formatei direitinho e coloquei num formato mais amigável para leitura, corrigir erros de português eventuais e refiz a bibliografia.Contudo, o grande problema que se apresentou foi que eu não consegui encontrar o autor da thread (sim, era originalmente uma thread do Twitter) onde era dissecado o vídeo “Was Hitler a Socialist? — A Response to Steven Crowder and Others” do canal alemão @_ThreeArrows.A ideia da thread é contrariar os principais argumentos (falsos) a favor da (equivocada) ideia de que o nazismo é/foi de esquerda** Antes de começar, devo alertar que grande parte dos argumentos aqui são baseados em noções totalmente anacrônicas do que constitui a ideia de esquerda e direita, além de frases e informações distorcidas e fora de contexto.Mas vamos lá.*“Hitler denominava a si e seu partido como socialista” Esse argumento geralmente se embasa em duas coisas: numa frase atribuída a Hitler onde ele supostamente chama os nazistas de inimigos do capitalismo, e no nome do Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães. A frase pertence, na verdade, a um panfleto de 1926, escrito por Gregor Strasser. Strasser foi um líder da ala mais trabalhista do Partido Nazista (em oposição à ala “ Völkisch” liderada por Hitler). Ele defendia ideias mais anticapitalistas que os Völkisch, mas não tanto. Nesse mesmo panfleto escrito por Strasser, ele diz: “Devemos rejeitar a frequente dita mentira de que as pessoas são iguais […] pessoas são desiguais e, portanto, devem ser valorizadas inegualmente perante a sociedade e perante ao estado.” Podemos ver, então, que o suposto comunismo de Strasser não era muito verídico. Mesmo assim ele foi morto durante a Noite das Facas Longas a mando de Hitler, que visava eliminar qualquer oposição intrapartidária à ala Völkisch. Segundo ponto: o nome. Hitler sabia que o povo alemão estava agitado politicamente durante a República de Weimar, por isso ele intencionalmente se apropriou da palavra “socialismo” e do espírito trabalhista para conquistas popularidade entre os alemães. Por isso quando Hitler e o partido nazista expressavam propaganda genericamente anticapitalista, eles estavam aproveitando a desilusão alemã pós-depressão de 1929 para fomentar o discurso de troca de regime. Porém, os nazistas não acreditavam que o capitalismo per se era ruim. Ao contrário dos comunistas e socialdemocratas alemães, os nazistas propunham que um modelo errado de capitalismo reinava a sociedade, o “ Raffendes Kapital”. Esse seria um capitalismo desonesto, ganancioso e estrangeiro controlado pelos judeus ocidentais cosmopolitas. Portanto vemos que o discurso anticapitalista nazista era apenas outra expressão da paranoia xenofóbica que apelava à maior parte da população e colocava a culpa em forças externas, não-alemãs. *“Os nazistas nacionalizaram a indústria e o Estado controlava tudo” Enquanto é verdade que os nazistas tenham confiscado muitas propriedades e estavam envolvidos na economia, eles privatizaram mais do que qualquer outro país capitalista ocidental naquele período. Com a vinda da Grande Depressão, a República de Weimar e outras nações ocidentais nacionalizaram muitos serviços e companhias. Um exemplo notório foi o “ New Deal” do presidente americano Franklin D. Roosevelt, cujas medidas econômicas ajudaram a reerguer os EUA. Em 1932, o governo alemão controlava 52% da segunda maior companhia de sociedade anônima na Alemanha, a United Steel. Quando os nazistas tomaram o poder, eles reorganizaram a United Steel de forma que as ações do governo fossem reduzidas a menos de 25%. Isso é apenas um dos exemplos. Nos anos fiscais de 1933, 1935, 1937 e 1938, o lucro das privatizações representava 1.7% de todos os lucros fiscais da Alemanha Nazista. *Sobre “o Estado controlava tudo”, as pessoas geralmente se referem à educação e saúde pública. Não há muito a ser falado nesse sentido porque isso não era exclusivo aos nazistas. A Alemanha impunha medidas públicas por educação e saúde muito antes dos nazistas. A presença escolar obrigatória tornou-se uma lei de escala federal em 1919, e em 1717 o soldado-rei Frederick Wilhelm 1° da Prússia introduziu o ensino obrigatório em escala pública. Além disso, Otto von Bismarck nacionalizou a saúde alemã em 1881 e na Áustria 8 anos depois. Em relação à economia, os nazistas tinham um esquema específico: eles davam liberdade pra empresas e seus donos, mas orientavam que trabalhassem em prol dos interesses partidários. A partir de 1942 isso precisou se tornou obrigatório para ajudar a causa bélica alemã. Vale a pena lembrar que controle estatal da economia durante tempos de guerra é um movimento natural para qualquer Estado com interesse de manter esforços bélicos. Medidas similares foram aplicadas nos EUA e no Reino Unido, por exemplo. Os nazistas introduziram medidas que de imediato beneficiavam os trabalhadores, como o programa “ Kraft Durch Freude”, mas que a longo prazo visavam desmontar os sindicatos e instigar a massa trabalhadora alemã a se identificar em volta da raça ariana e não em volta de classe. *“Os nazistas controlavam o porte de armas” Isso é outra meia-verdade. Hitler e os nazistas não impuseram controle do porte de armas pros alemães em geral, apenas para os cidadãos judeus e dissidentes políticos. Figuras conservadoras como Steven Crowder e Jordan Peterson usam o livro “ Hitler’s Table Talks” como referência para esse argumento, mas ao que tudo indica as traduções do livro pro inglês e francês são malfeitas e podem levar a falsas conclusões. O autor do vídeo, um alemão, revela que na passagem do livro onde Hitler fala de limitar o acesso da população às armas, ele se referia aos povos da Europa Oriental dominados pelos nazistas, pois ele acreditava que armas incitariam uma revolta contra os ocupantes alemães. *“Hitler era radicalmente pró-aborto” Não, ele não era. As políticas de aborto e natalidade impostas pelos nazistas eram mais uma vez direcionadas a grupos específicos apenas, como judeus e eslavos, numa tentativa de promover limpeza étnica e racial. Além disso os nazistas introduziram leis de penalização do aborto aos cidadãos alemães, leis que haviam sido banidas pelo governo alemão durante a República de Weimar. A partir de 1942, era passível de pena de morte. *“Nazismo e Comunismo são ideologias irmãs” Hitler definitivamente foi influenciado por Marx, mas apenas no sentido de relacionar a ameaça bolchevique oriental ao povo judeu (Marx era judeu). Até Gregor Strasser, o nazista mais “à esquerda”, era antimarxista. Ben Shapiro costuma argumentar que nazistas e comunistas não discordam em relação às essências de suas ideias, mas que a rivalidade entre eles se trata de uma disputa de poder que dividiria os marxistas entre esses dois grupos. Uma noção completamente falsa considerando que os nazistas nunca defenderam o controle dos meios de produção por parte do proletariado (o objetivo dos comunistas) e muito menos o implementaram. Eles não eliminaram o capitalismo, apenas o tornaram um aparato do etno-estado ariano. Também é ridículo sugerir que os nazistas tenham se separado dos comunistas. Os nazistas surgiram como uma reação à ameaça de revolução comunista que rondava a Europa depois da 1ª Guerra Mundial e depois da Revolução Russa. No livro “Hitler’s Crusade”, Lorna Waddington escreveu: “Dentro de um ano da derrota alemã ouviram-se os primeiros chamados por uma nova missão cultural para impedir o avanço do bolchevismo. […] Isso providenciou a chave para a construção da conspiração judaica pelos nazistas.”Referências**LANE, B. Miller. Nazi Ideology Before 1933: A Documentation. Manchester University Press, 1978. Disponível em < https://books.google.com.br/books?id=fG_oAAAAIAAJ&pg=PA87&redir_esc=y#v=onepage&q&f=false>. Acesso em 2 de abril de 2019.BEL, Germà. Against the mainstream: Nazi privatization in 1930s Germany. Universitat de Barcelona i ppre-IREA. Disponível em < http://www.ub.edu/graap/nazi.pdf >. Acesso em 2 de abril de 2019.CHELOUCHE, T. Doctors, pregnancy, childbirth and abortion during the Third Reich. Isr Med Assoc J. 2007 Mar;9(3):202–6. Disponível em < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/m/pubmed/17402341/>. Acesso em 2 de abril de 2019.