layout: post title: Tabata Amaral e a ciranda nossa de cada dia. tags:

  • Esquerda
  • Pdt
  • Politica
  • Tabata Amaral —O PT ainda tem a maior bancada da câmara, mas pouco se vê falar de qualquer articulação política deles em relação a oposição. Quando sabemos de algo sobre o PT é apenas o Lula e sua cruzada pessoal ou alguma maluquice aleatória da Gleisi Hofman. O resto da oposição hiberna. Todos os problemas do atual governo (e são muitos) são fogo amigo. São internos. São problemas do próprio PSL, dos filhos do presidente ou do mentor que se acha maior que o próprio governo.Mesmo assim, com essa atuação ridícula e capenga, o PT e o PSOL (mais o PSOL, diga-se) ainda tem forças para tentar sufocar qualquer atitude fora dos seus tentáculos “cirandeiros”. A mais nova é o ataque sistemático à deputada Tabata Amaral.No meio do mar de merda que se tornou (ou sempre foi) a política partidária do Brasil surge uma deputada que veio da periferia e mesmo assim estudou em Harvard, que perdeu o pai para as drogas e que teve roupas, almoços e outras coisas pagas pelos professores quando estava estudando e fazendo faculdade. Filha de uma diarista e de um cobrador de ônibus e que fez parte, depois de formada em astrofísica e ciência política e de retornar ao Brasil, do maior esforço acadêmico para entender os problemas da educação brasileira. Mapeou os problemas, entrevistou educadores pelo país e, com método científico (essa coisa que quem faz arminha com a mão detesta) entendeu os problemas estruturais da educação básica do país (ou tentou, mas já fez mais do que a maioria das oligarquias políticas do país). Ela também, mesmo tendo sido salva pela sorte, como ela mesma fiz, defende que não exite meritocracia e é contra o escola sem partido. Entre outras coisas progressistas.Nessa semana essa deputada, Tabata Amaral, emparedou o ministro da educação num vídeo que viralizou por toda a web (se você não viu ou, pelo menos, ouviu algum pedaço é porque, provavelmente, esteve congelado) indagando sobre propostas para a educação no bagunçado ministério e no MEC. Não obteve nada do ministro (claro, não existe como obter alguma coisa concreta nesse governo) e foi alçada a semi-celebridade política do país.Com esse currículo era pra esquerda inteira estar aplaudindo de pé a deputada e dando as mãos pra resistir (mas essa nunca foi a intenção não é?) contra o governo atual.É o que qualquer ente racional iria esperar não?É, mas mostrando que esquerda as vezes não tem racionalidade em si, os canhões da militância do PT e do PSOL se voltaram para ela em todas as redes sociais. Alguns quadros petistas sugeriram um paredão “simbólico”, inclusive. Tudo porque ela é “libleft”, “patrocinada pelo Lehman”, filiada ao PDT e defende que a economia precisa ser destravada. A esquerda é pura demais (mesmo que o PT já tenha se aliado com o José Alencar, acusado de manter empregados em situações análogas à escravidão e o Michel Temer) para permitir que uma pessoa, vinda da periferia, não baixe a cabeça e se concentre em ser um totem pra classe intelectual do país, sendo exótica e defendendo pautas identitárias somente. Onde já se viu, vir da periferia e ser branca e querer falar de educação e economia. Tinha que estar pintando cartaz de cartolina e fazendo protesto inócuo em Brasilia.Talvez destravar a economia e deixar as pessoas trabalhar, arrumar emprego para essas pessoas ou se preocupar com educação básica seja algo distante daqueles que militam nesses partidos. Entendo, afinal, é bastante fácil encontrar nos DCE’s espalhados pelo país militantes estudantis que são das classes mais abastadas e que a grande dificuldade da vida foi ter que pegar ônibus pra ir pra faculdade (e sim, tem muita gente pobre nas universidades, graças ao PT). Talvez seja realmente difícil para essas pessoas que sempre tiveram acesso entender o que significa você simplesmente poder abrir uma barraca de cachorro-quente na calçada da frente da sua casa sem ser importunado pela prefeitura ou ser assaltado pelo traficante local. Eu entendo, é uma realidade muito distante dessas pessoas, dessa classe iluminada que pode se dar ao luxo de não ser pragmática na sua vida e esperar pureza de pensamento e academicismos onde não é necessário. O que eu não entendo, e jamais irei entender, é porque atacar de forma ininterrupta alguém que traz consigo toda essa vivência e, ainda assim, resolve lutar por causas progressistas.No fundo o ataque à Tabata é apenas uma incapacidade da esquerda rica e moradora do centro de lidar com opiniões divergentes, ainda que no mesmo espectro, e que não se curvem ao estereótipo que eles esperam de alguém que venha lá de longe, da ocupação ou da casa de madeira longe dos centros culturais, do sarau de poesia, da intervenção artística, das bicicletas de aluguel e dos patinetes amarelos e que se recusa a ser o objeto de decoração, o bom selvagem moderno, que a classe alta tanto que ter consigo.Ainda fosse, sei lá, o PCO criticando o liberalismo esquerdista do PDT, mas o PT. Francamente.[embed]https://www.youtube.com/watch?v=9-gjbtwE7Qw[/embed]