layout: post title: Insegurança — Diário tags:

  • Insegurança
  • Porto Alegre
    —Ontem, dia 14 de maio de 2018, foi ao ar em todos os locais uma matéria que mostrava um assalto no RJ onde
    um senhor de 58 anos perde a moto e ainda leva um tiro na perna(por ter demorado demais, pra não correr atrás etc.). Nesse mesmo JN foi mostrada também uma matéria
    onde uma criança é vítima de bala perdida dentro da escola, no RJ também.Isso tudo faz criar uma câmara de ressonância muito grande. Quem mora em Porto Alegre olha essas matérias e diz, automaticamente:
    “Nossa, no RJ não tem mais como andar, isso não tem mais jeito” e ignora a realidade do Brasil e, principalmente, de Porto Alegre.Pode ser que por aqui não estejamos ainda no mesmo nível de violência organizada que no RJ, mas, a grande diferente entre a quarta capital mais violenta do país pro RJ é a cobertura. Enquanto os jornais da RBS e outras mostram muito pouco a violência em POA (e aqueles que o fazem acabam caindo na
    espetacularização como os da Rede Record) cria-se a sensação de que Porto Alegre não é tão ruim quando o RJ (é pior).A verdade é que o Brasil todo é muito perigoso e mais, a América Latina é muito perigosa(pode ser por problemas de formação, exploração, qualquer coisa) e alguém, em algum momento, vai precisar fazer alguma coisa sobre.Isso me leva a mas uma reflexão sobre o Brasil e os problemas que podem vir nas eleições de 2018.Taxa de homicídios nas capitais do país.Todo mundo que acompanha o noticiário sabe que o Lula ainda é o preferido do povo. Ainda é quem levaria, de lavada, as eleições desse ano caso não estivesse preso. Saindo ele do pleito quem surge como grande força é o belicoso deputado federal Jair Messias Bolsonaro. Fazendo um link (antigamente era gancho que se dizia) com o que eu escrevi acima, reflito sobre as razões que levam a votar no Bolsonaro.Quem vota no Bolsonaro é quem quer uma resposta imediata contra a violência absurda que o Brasil vive, principalmente nas grandes cidades. Quem vota no Bolsonaro é o cara que passa 30 minutos na parada esperando o ônibus pro trabalho/casa a mercê dos bandidos. Que sai de casa de madrugada, antes de amanhecer, porque o trajeto trabalho-casa leva 3h com sorte. Quem vota no Bolsonaro é o cidadão/cidadã que já perdeu a esperanças de não ter medo constante de morrer e de perder tudo o que comprou a duras penas.Eu sou de esquerda e a coisa que eu mais critico é essa incapacidade da esquerda de perceber a segurança como uma pauta urgente no Brasil. Dar soluções firmes e eficazes e parar de falar num dialeto que poucas pessoas fora da academia conseguem entender.
    Ontem eu li uma entrevista do Aldo Rebelo na BBC que ele fala que a esquerda virou as costas pra a pautas nacionais e se focou em pautas identitárias, ignorando o país e se focando em micro-problemas de minorias. Ainda que eu acho ele um FDP de marca maior, ele está certo nisso, a esquerda parece ser incapaz de pensar como alguém da periferia (provavelmente porque a maior parte ali é da elite) e incapaz de se conectar com os problemas e narrativas que ocorrem nos bairros pobres. Em parte, isso explica o Lula e a imensa quantidade de votos que ele ainda faz, mesmo preso: ele sabe falar pros pobres.Enfim, o problema com o Bolsonaro é toda a carga que ele traz consigo (censura, desenvolvimentismo, militarismo) e a
    completa e total ausência de soluções práticas para os problemas de segurança
    . Dizer que vai colocar bandido na cadeia não resolve nada (sequer tem cadeia no país pra colocar todo mundo) se você não disse como vai fazer isso. Dizer que bandido bom é bandido morto traz impacto, mas, precisamos pensar além disso. Ele pretende criar grupos de extermínio e entrar nas favelas? Acabar com as facções? O que ele pretende fazer para matar os bandidos?
    O bandido de asfalto é apenas uma consequência do crime organizado dominando regiões/estado inteiros. Sem acabar com a organização que comanda essa rede de sustentação criminal não existe como diminuir a níveis aceitáveis a criminalidade. E eu nunca vi o Bolsonaro falar nada disso.Finalmente, para aqueles que querem saber porque eu realmente acho que Porto Alegre é muito mais violenta do que o RJ (ao menos nos seus muitos e populosos bairros periféricos, fora da bolha de proteção que a BM oferece no Parcão, Encol e arredores) deixo aqui um diário de assaltos e tentativas que ocorreram comigo desde janeiro de 2016 (todos na zona norte de Porto Alegre).*Janeiro/16:
    Estava indo no mercado e um cara parou a moto do outro lado da rua e veio na minha direção, arma na mão e capacete na cara, só não me assaltou porque veio um carro e tocou por cima dele e eu saí correndo. Nesse dia eu estaria muito ferrado, não tinha nada comigo, só a chave de casa. Provavelmente ia apanhar ou tomar um tiro.
    *Junho/16:
    Minha mãe foi assaltada na frente do supermercado, numa das ruas mais movimentadas da cidade, derrubaram ela no chão e ela ficou presa pela alça da bolsa lutando pra se desvencilhar.
    *Junho/16:
    Dois dias depois disso eu fui assaltado na parada do ônibus. Colocaram arma na minha cabeça e levaram tudo (mochila e telefone). Ainda corri o risco de morrer porque segundo um dos bandidos eu
    tenho cara de (policial) civile ele me fez levantar o blusão pra ver se não tinha arma ou distintivo.
    *Agosto/16:
    Saindo da quadra onde eu jogava bola com o meu irmão, estávamos parados na parada do ônibus eu e ele, quando dois caras se aproximaram e ficaram ali, sem falar nada, só circulando a gente. Minha reação foi cruzar os braços e dar uma encarada fixa nos caras e tocar o foda-se (eu ainda tava muito puto com o que tinha rolado comigo na parada). No final, eles largaram fora.
    *Agosto/16:
    Dessa vez, pegando ônibus pra voltar do jogo semanal, eu e meu irmão sentados com mais dois amigos e entrou um cara no busão. Anunciou assalto pra mulher atrás da gente, passou batido por nós dois e pelos nossos amigos, e assaltou a mulher do banco da frente, porém, quando ele foi assaltar essa mulher ela se enrolou com o telefone e ele largou um
    “quer morrer”pra ela e apertou o gatilho. A arma não disparou, ele apertou de novo e não disparou de novo (provavelmente era de airsoft) o que motivou a galera o ônibus a ir pra cima dele. Sorte que ele foi rápido e o motorista lento e ele conseguiu fugir pela porta quase fechando do ônibus e largar correndo no meio dos carros. Detalhe que os dois comparsas dele (um homem e uma mulher) tinham largado do ônibus muito tempo antes.
    *Julho/17:
    Ano passado levaram os telefones da minha mãe e de uma amiga dela a duas quadras de onde elas dão aula. Arma apontada pra elas e tudo mais.
    *Julho/17:
    Logo depois desse assalto — uns 4 dias — tive que levar minha mãe no hospital porque ela tava com TAG e a gente presenciou um roubo de carro na rua do lado da nossa. O cara do Uber tocou por cima de todo mundo (com medo de ser assaltado também).
    *Agosto/17:
    Eu tava colocando lixo na rua e dois caras armados abandonaram um carro na frente da minha casa. Passaram por mim sem fazer nada (por muita sorte) e deixaram o carro de portas abertas no meio da rua.
    *23/12/17:
    Eu fui comprar um ar condicionado. Estava de Uber quando um carro parou na fila, saíram dois caras armados e renderam o casal que estava logo na nossa frente. Acredito que eles já estavam fugindo da PM porque o carro tinha dois pneus furados.
    *30/12/17:
    Eu e meu irmão estávamos indo pra casa aí pelas 14h e um carro parou logo na nossa frente. Vi que o cara do carona ficou preso com a porta e saí correndo junto com o meu irmão.
    *26/03/2018:
    Estava indo levar meu irmão para fazer prova do concurso da Santa Casa e fomos assaltados na saída de casa (na frente). Armado, o ladrão levou o carro do Uber e a bolsa da minha mãe (depois de alguns minutos de gritos e ameaças). Os ladrões estavam sendo perseguidos pela PC e, logo depois, um carro com dois policiais civis parou na frente da nossa casa e perguntou pra onde eles tinham ido. Não conseguiram achar o carro do ladrões. Depois de um tempo uma viatura da BM parou e começou a fazer uma busca pelo carro do Uber e pela bolsa da minha mãe, só conseguimos localizar o carro por conta do rastreamento do iPhone dela que ficou ativado o tempo todo (eles demoraram pra desligar o telefone). Não encontraram, contudo, a bolsa da minha mãe. Acabamos não indo pro concurso.
    *Julho/2018
    Meu primo foi assaltado na frente da minha casa, ao descer do carro teve o carro e o refrigerante roubados. *8/10/2018
    Hoje de meio-dia apareceu um cara aqui pedindo dinheiro, dizendo que tinha saído do presídio e precisava pegar o ônibus. Fiquei na minha e disse que não tinha nada (o que era verdade) e o cara saiu de boas daqui pedindo desculpas. Por volta das 13h30 o cara volta, toca a campainha e diz que vai me matar se eu não deixar ele entrar, como ele não tinha arma nenhuma à mostra, paguei pra ver e mandei ele catar coquinho. O cara quase destruiu a porta da frente a chute e tentou entrar pela minha janela depois (quebrou dois vidros). Só saiu quando eu meti um espeto pela janela em direção a ele (não pegou) e quando o cara do caminhão do SEDEX apareceu. Acho que ele largou fora, mas não tenho certeza, ele já voltou uma vez. *Jan/2019
    Mesmo depois de me mudar do local, meu tio segue morando na mesma casa. Em janeiro de 2019 tentaram entrar na casa dele arrombando a porta da frente. *Jul/2019
    Mesma casa, dessa vez tentaram entrar pelos fundos, só não entraram porque a cerca elétrica impediu. *Ago/2019
    Arrombaram a casa do meu tio e levaram a TV da sala dele. O bandido quase conseguiu escapar levando a TV, foi impedido pelo novo vizinho que, aos berros, fez o bandido parar e jogar a TV no chão, quebrando-a.