PrintScreen do sistema de rastreamento do SARS-Cov-2 da universidade John Hopkins.Nunca é bom passar por uma pandemia, claro, mas no Brasil vivemos o pior dos mundos. Estamos passando pela pior pandemia desde 1918 com um asno no comando do país. E pior, não é apenas um asno, é um asno cagão. O grande problema do nosso asno é que ele não tem coragem nenhuma e é levado pra qualquer lado que empurrem ele. Pastores e empresários liberais jogam com ele como se ele fosse uma criança de 12 anos mimada e incapaz. Qualquer outro candidato estaria melhor preparado do que ele. Os seus eleitores o elegeram esperando um comportamento típico do Trump: arrogante, mas capaz de tomar decisões que contrariem grandes empresários, líderes religiosos e lideranças locais. Bolsonaro não é isso, é um menino com medo, acuado em sua própria casa e que repete as falácias que seus filhos lhe dizem na esperança de que eles saibam o que está acontecendo. Enquanto seus ex-aliados nos estados fazem o que ele deveria estar fazendo (fechando igrejas, impedindo aglomerações, peitando pastores e empresas) ele segue escondido em Brasília dizendo que tudo não passa de uma histeria da mídia, da China e de qualquer inimigo que tenham eleito pra ele. Ele se torna, afinal, um capacho das grandes elites brasileiras que já estão colocando as mangas de fora e vendo essa pandemia como uma oportunidade de massacrar os mais pobres, numa clara ação de eugenia do século XXI, mandando-os trabalhar de qualquer maneira, a qualquer preço e custe o que custar.O maior indicativo disso foi o áudio vazado do Roberto Justus, carregado de arrogância e preconceito, dizendo que o Marcos Mion estava semeando histeria ao mandar as pessoas ficarem em casa até quarta — porque esse seria o tempo exato que nos faria, caso contaminados, estar no hospital naquel que será o ponto crítico do SUS em abril — e termina dizendo que o isolamento, que pode salvar milhares de vida, vai ser muito mais custoso ao país do que ir trabalhar e quem sabe morrer uns 10% da população. Você precisa se revoltar contra os ricos, é questão de sobrevivência.Abaixo o áudio:[embed]https://twitter.com/Dudu/status/1241862845836472325?s=08[/embed] Por algum motivo que me foge — não foi apenas por antipetismo — o brasileiro escolheu a pior figura possível para comandar o país e, ainda por cima, fomos castigados com uma pandemia sem precedentes que promete arrasar o mundo e, principalmente, os países pobres como o Brasil. Na Europa de fala de perdão de dívida, Novo Plano Marshall e estatizações em massa. Aqui, corte de salários e “histeria”. De qualquer modo essa pandemia seria ruim, mas hoje, ela é quase um desastre bíblico no Brasil .No RS o grenal pode ter sido o grande catalisador dos casos. Uma temeridade ter realizado aquele jogo com 50k pessoas na Arena do Grêmio e sabe-se lá mais quantas nas ruas da cidade (bares, arredores do estádio, casas) quando o RS já tinha registrado casos de SARS-CoV-2 no seu território. Como o tempo para apresentar sintomas é algo entre 4 e 12 dias, até o dia 28 ainda poderemos ter um grande salto nos números por aqui onde muito poderão ter sim ligação direta com o grenal do dia 12/3.Inclusive, se diz na Europa que o jogo entre Atalanta e Valencia foi um dos grandes catalisadores dos casos na Itália e na Espanha (ambos sãos dois grandes epicentros do vírus na Europa). A ideia de colocar mais de 50 mil pessoas no estádio do Grêmio no dia 12/3 não foi a melhor e o RS pode sentir isso na pele durante essa semana. E mais, aqui para os gaúchos, o inverno está chegando e temos uma tradição horrível de lotarmos as UTIs e centro de saúde respiratória no inverno, fruto das infecções respiratórias típicas dessa época do ano que, aliadas com um estado com grandes massas de idosos e com uma hábito de fumar bastante arraigado, pode nos levar a um cenário terrível nos próximos dias.E no Brasil não estamos melhor, principalmente porque não estamos achatando a curva. Vamos mesmo nos encaminhar pro socioeconômico em breve, no mais tarde dia 14 de abril, quando o SUS colapsar junto com o sistema privado de saúde. O governo federal não está suprimindo a sociedade e a previsão de 1 milhão de mortos do Átila baseado no pape do Imperial College corre grandes risco de se confirmar e até mesmo de ser superada.Resumo: fique em casa arrombado.