Desde 2016, com o escândalo da Cambridge Analitica, o Facebook se tornou central nas eleições ocidentais com as suas plataformas — Whatsapp, Facebook e Instagram — moldando a polarização política pela qual passamos hoje através do engajamento em notícias falsas ( fake news), escalonamento de discurso de ódio ou semelhantes e, principalmente, venda de dados pessoas sensíveis (deslocamentos, fotos, rostos, gosto, curtidas, compartilhamentos, relacionamentos etc).Com a onda de protestos do movimento Black Lives Matter, desencadeada pelo assassinato do homem negro, George Floyd, pelo policial branco, Derek Chauvin, o presidente dos EUA, Donald Trump, fez diversas postagens que incitavam a violência civil, policial e o discurso de ódio. A repercussão negativa desse discurso fez com que o Twitter marcasse, pela primeira vez na história, um dos tweets do POTUS como sendo sensível. A mesma postura foi cobrada do Facebook que, por óbvio, recusou-se a aplicar qualquer sansão em relação às postagens.Isso desencadeou um momento interno do Facebook que acabou desaguando no pedido de demissão do Engenheiro de Software e uma carta aberta dos funcionários da empresa cobrando o fundador e CEO sobre uma posição mais rígida em relação a esses problemas.O estrago, contudo, está feito. O sistema de disseminação de ódio via Whatsapp é constante, mesmo com as medidas mais recentes para evitar o “flood” de mensagens em grupos. O Google também tem a sua grande parcela de culpa, talvez até maior do que o Facebook, ao manter o AdSense ativado em páginas de disseminação de notícias falsas.Mas, como pontuou Guilherme Felitti no Tecnocracia #33:>A partir do momento que não usam seus poderes para reestabelecer o interesse da sociedade sobre o interesse privado, os governos se tornam coconspiradores das grandes empresas de tecnologia. Não é uma jogada à toa: os governos têm interesse em aproveitar desse poder enorme. Trump e a Besta do Palácio do Planalto, para ficar no exemplo mais escandaloso, sabem que políticas mais duras de Facebook e Twitter podem ter um impacto direto em seus futuros sucessos eleitorais. Mas isso é um assunto para outro Tecnocracia, que certamente virá. Ou seja, a cagada está feita e tanto Bolsonaro quanto Trump (e Boris Johnson) vão continuar bebendo dessa fonte e vão continuar alimentando essa serpente que lhes dá a manutenção do sistema que os elegeu. Steve Bannon sorri.Abaixo, reproduzo a grande enrolada que o Zucko publicou na sua conta pessoa do Facebook onde ele aponta “questões e políticas” para nortear os próximos passos das plataformas do Facebook em relação aos problemas aqui apontados.** Acabei de compartilhar a seguinte nota com nossos funcionários e quero compartilhá-la com todos vocês também.Enquanto continuamos processando esse momento difícil, quero reconhecer a verdadeira dor expressa pelos membros da nossa comunidade. Também quero reconhecer que a decisão que tomei na semana passada, deixou muitos de vocês com raiva, decepcionados e magoados. Portanto, sou especialmente grato por, apesar de sua discordância sincera, você permanecer focado em tomar medidas positivas para seguir em frente. Isso pode não ser fácil, então só quero dizer que ouvi você e sou grato.Acredito que nossas plataformas podem ter um papel positivo em ajudar a curar as divisões em nossa sociedade e estou comprometido em garantir que nosso trabalho seja direcionado dessa maneira. A todos vocês que já trabalharam incansavelmente em idéias para melhorar [as nossas plataformas], agradeço. Você está fazendo a diferença; e juntos faremos a diferença. E, enquanto continuaremos a defender a voz de todos e a errar ao lado da liberdade de expressão nessas decisões difíceis — mesmo quando é discurso que discordamos veementemente e visceralmente -, estou [pessoalmente] empenhado em garantir que também lutemos pelo engajamento e justiça racial.Muitos de vocês perguntaram quais as medidas concretas podemos começar a trabalhar para melhorar nossos produtos e políticas. Quero compartilhar mais sobre as sete áreas que discuti nas perguntas e respostas em que estamos focando inicialmente. Com base no retorno de funcionários, especialistas em direitos civis e especialistas no assunto internamente, exploramos as seguintes áreas, que se enquadram em três categorias: idéias relacionadas a políticas específicas, idéias relacionadas à tomada de decisões e iniciativas proativas para promover a justiça racial e envolvimento dos eleitores. Quero deixar claro que, enquanto analisamos todas essas áreas, talvez não apresentemos as mudanças que queremos fazer em todas elas.Se for possível, delete a sua conta no Facebook.Ideias relacionadas a políticas específicas:1. Vamos revisar nossas políticas, permitindo discussões e ameaças do uso da força pelo Estado, para ver se há alguma emenda que devamos adotar. Existem duas situações específicas sob essa política que vamos revisar. A primeira é sobre casos de uso excessivo da força polícial ou da força estatal. Dada a história sensível nos EUA, isso merece uma consideração especial. A segunda é quando ocorre de um país que passa por distúrbios civis ou conflitos violentos. Já temos precedentes para impor restrições maiores durante emergências e quando os países estão em estado de conflito, portanto, pode haver políticas ou medidas de integridade adicionais a serem consideradas em torno de discussões ou ameaças do uso da força pelo Estado quando um país está nesse estado.2. Vamos revisar nossas políticas de supressão de eleitores para garantir que levemos em consideração a realidade da votação em meio a uma pandemia. Confio nos esforços de integridade eleitoral que implementamos desde 2016. Temos desempenhado um papel na proteção de muitas eleições e agora temos alguns dos sistemas mais avançados do mundo. Mas há uma boa chance de que haja medo e confusão sem precedentes sob a questão de ir às urnas em novembro, e alguns provavelmente tentarão capitalizar essa confusão. Por exemplo, quando os políticos debatem quais devem ser as políticas de voto por email em diferentes estados e qual deve ser a linha entre um debate legítimo sobre as políticas de votação e tentativas de confundir ou suprimir indivíduos sobre como, quando ou onde votar. Se um jornal publica artigos alegando que ir às urnas será perigoso, dada a COVID, como devemos determinar se isso é informação sobre saúde ou supressão de eleitores?3. Analisaremos as opções em potencial para lidar com o conteúdo violador ou parcialmente violador, além das decisões binárias de retirar conteúdo ou desistir deste conteúdo. Sei que muitos de vocês pensam que deveríamos ter rotulado as postagens do Presidente de alguma forma na semana passada. Nossa política atual é que, se o conteúdo está realmente incitando a violência, a mitigação certa é derrubá-lo — não permitir que as pessoas continuem vendo-o atrás de um alerta. Não há exceção a esta política para políticos ou interesse pela notícia. Acho que essa política é baseada em princípios e razoável, mas também respeito muitas pessoas que acham que pode haver alternativas melhores, então quero ter certeza de que ouvimos todas essas idéias. Comecei a me reunir com a equipe ontem e continuaremos a discussão em breve. Em geral, eu me preocupo com o fato de que essa abordagem corrija o risco de nos editorializar sobre conteúdo de que não gostamos, mesmo que não viole nossas políticas, então acho que precisamos prosseguir com muito cuidado.Ideias relacionadas à tomada de decisão:1. Vamos trabalhar para estabelecer um processo de tomada de decisões mais claro e transparente. Essa claramente não é a última decisão difícil que teremos que tomar, e eu concordo com o retorno dado por muitos de vocês de que deveríamos ter um processo mais transparente sobre como pesamos os diferentes valores e ações em jogo, incluindo segurança e privacidade. Penso que podemos dar mais transparência ao que se refere aos resumos dessas políticas, bem como as recomendações de possíveis novas políticas que me são enviados. Essas análises são realizadas minuciosamente pela equipe da Monika Bickert e levam em consideração muitas vozes. Como aceito as recomendações da equipe na grande maioria das vezes, é nesse processo que acho que devemos nos concentrar mais na transparência. Para as problemas que escalem de modos mais sensíveis, em que discuto mais com a equipe, ao invés de apenas aceitar sua recomendação por e-mail, podemos tentar descrever como incorporaremos todas as perspectivas nessas discussões de acompanhamento, mesmo que isso tenda a variar dependendo das ações em jogo em cada decisão.2. Em termos mais gerais, revisaremos se precisamos alterar algo estruturalmente para garantir que os grupos e vozes certos estejam à mesa — não apenas quando decisões que afetam um determinado grupo estão sendo tomadas, mas quando outras decisões que podem estabelecer precedentes estão sendo feitos também. Estou comprometido em elevar a representação da diversidade, inclusão e direitos humanos em nossos processos e discussões da equipe de gerenciamento, e em breve irei dar seguimento a pensamentos específicos sobre como podemos melhorar estruturalmente isso.Iniciativas proativas para promover a justiça racial e o envolvimento dos eleitores:1. Iniciamos um fluxo de trabalho para a construção de produtos para promover a justiça racial. Muitos de vocês compartilharam idéias nos últimos dias sobre melhorias de produtos que podemos observar; e eu fiquei impressionado com a rapidez com que chegamos até aqui. Pedi à Fidji para ser responsável por este trabalho, e a Ime estará transferindo alguns voluntários de nossa equipe de Experimentação de Novos Produtos para se concentrarem nisso também. Eles terão mais para compartilhar sobre o primeiro conjunto de projetos que planejamos realizar em breve.2. Estamos construindo um centro de votação para dobrar nossos esforços anteriores de obtenção de votos. No final das contas, votar é a melhor maneira de responsabilizar nossos líderes e abordar muitas dessas questões de longo prazo sobre justiça. Nossos esforços se basearão nas lições aprendidas com o bem-sucedido Centro de Informações da COVID, a fim de tornar nossos esforços de votação e engajamento cívico tão centrais quanto nossos esforços em torno da recuperação da COVID. Vamos nos concentrar em garantir que todos tenham acesso a informações precisas e autorizadas sobre a eleição e votação, além de criar ferramentas para incentivar as pessoas a se registrarem para votar e ajudá-las a incentivar seus amigos e comunidades a votar também. Em 2016, realizamos um dos maiores esforços de votação da história. Espero que tenhamos um desempenho ainda melhor em 2020.Aos membros da nossa comunidade negra: Eu estou com vocês. Suas vidas são importantes. Vidas negras são importantes.Até agora, temos que superar a injustiça racial na América e no mundo; todos temos a responsabilidade e a oportunidade de mudar isso. Acredito que nossas plataformas terão um papel positivo nisso, mas temos que trabalhar para garantir que nosso papel seja o mais positivo possível. Essas idéias são um ponto de partida e tenho certeza de que encontraremos mais coisas a fazer à medida que continuarmos nessa jornada. Convido todos a verificar também a publicação da Maxine sobre como você também pode fornecer o melhor retorno sobre idéias de políticas de produtos, integridade e conteúdo. Obrigado por todos os seus comentários até agora, estou ansioso para progredirmos juntos nas próximas semanas e meses.