layout: post title: O desastre brasileiro com o coronavírus tags:

  • Bolsonaro
  • Covid 19
  • Sarscov2
  • Tradução
  • Vox —Sem ministro da saúde desde a saída prematura de Nelson Teich — que ficou menos de um mês no cargo — estamos enfrentando uma curva exponencial de infecção e óbitos com um general sem nenhuma experiência em gestão hospitalar, médica ou mesmo em administração pública, como interino.Desde meados de junho somos o país com mais casos (chegando a bater acima dos 55 mil casos por dia, recorde mundial) e óbitos (por volta de 1200 diários) no mundo e tudo o que vemos do governo federal é uma movimentação das suas hostes governamentais em direção à sua defesa contra um vindouro inquérito sobre notícias falsas.O coronavírus, que matou quase meio milhão de pessoas e infectou mais de 9 milhões de pessoas pelo mudo, se tornou questão secundária no noticiário brasileiro porque estamos enfrentando uma erosão da base de apoio e da imagem, já desgastada, do presidente. Os atores se movimentam enquanto passamos a privatização da água e esgoto, provando que a agenda liberal sobrevive sem Bolsonaro e Paulo Guedes, para novos extremos e o centrão novamente emerge das sombras como poder moderador encarnado na figura frágil de Rodrigo Maia.Quando tudo isso bate no exterior a impressão que se tem é que o Brasil vive um caos desordenado que mistura falta de gestão, falta de poder político e incapacidade parlamentar. Pode ser verdade, claro, mas esse sempre foi o projeto ideológico dessas pessoas.A introdução do episódio que trata das “trapalhadas” do governo Bolsonaro à frente da crise do coronavírus é estarrecedora (e o resto idem):>Quando se trata da Covid-19, ninguém o lida com a doença pior do que os Estados Unidos. Temos dois milhões de casos confirmados e contando.

    Nós nunca nos fechamos totalmente, mas estamos super empenhados em reabrir e agora estamos vendo enormes picos de Covid por todo o país. A Europa está considerando reabrir suas fronteiras, mas proibindo os americanos de viajarem para lá. A fronteira com o Canadá continua fechada. Ninguém quer brincar na caixa de areia com a gente porque somos os piores. Nós somos os piores! Mas o Brasil está querendo nos tomar esse lugar. E as semelhanças são assombrosas. Nunca fechou de verdade? Confere.

Um presidente recomendando a hidroxicloroquina? Confere.

Preocupações com a infra-estrutura de saúde? Confere.

Mas ao contrário dos Estados Unidos, o Brasil tem o risco adicional de que, se as coisas ficarem muito, muito ruins, os militares podem vir a intervir e assumir o controle. E então, adeus, democracia. [embed]https://megaphone.link/VMP7288169829[/embed]