layout: post title: Mini Metro e os jogos minimalistas tags:

  • Gamefagia
  • Memória
  • Mini Metro —Inaugurando a minha coluna aqui na Gamefagiavou falar sobre um jogo minimalista, simples e viciante: Mini Metro.Criado pela softhouse independente Dinossaur Polo Club — que conta com apenas dois membros, Peter e Robert Curry — o game coloca o jogador dentro de um universo simples e radicalmente complicado, onde o desafio maior é gerenciar um sistema de metrô de um cidade em franca expansão.Inicialmente a simplicidade do design do jogo pode fazer qualquer um acostumado com os novos Call of Dutty ou com o velho God of War torcer o nariz, até com um pouco de razão, afinal, o cenário espartano com um fundo branco, um pequeno rio — identificado pela cor azulada –, figuras geométricas que servem como representações das estações do metrô e retângulos coloridos representando os vagões do trem, não inspira muita confiança no que pode estar por vir. Mas não se engane, o jogo é viciante como poucos.A premissa do jogo é bem básica — e não por isso menos complicada. Você inicia com 3 linhas de trem que são diferenciadas por cores básicas e três estações bem próximas umas das outras e com poucos passageiros. Cada estação, como já dito, é representada por uma figura geométrica. Sempre começamos com um quadrado, um círculo e um triângulo como estações básicos e dentro de cada estação temos os tipos de passageiros e seus destinos, que também são demarcados pelas forma geométricas (é muito mais simples do que parece, e quando se joga isso fica bem nítido). Você pode iniciar a maneira que quiser, ligando as três as estações com apenas uma linha e criando uma linha circular de trem que atenda às três estações de uma vez ou você pode “gastar” as suas três linhas de uma vez e criar uma estação central onde todas as linhas vão e voltam. O melhor meio de iniciar fica a seu critério.No início é tudo bem fácil e até monótono, poucas estações, poucos passageiros e tudo correndo muito bem. Mas, e o grande trunfo do jogo vem aí, a cidade se expande e novas estações surgem na sua tela e você, com recursos limitados de linhas e tuneis, precisa pensar rapidamente na melhor rota para o seu metrô atender as demandas da cidade.Novas estações significam mais pessoas indo e vindo a todo o momento e linhas mais longas, com maior tempo de espera e maior quantidade de passageiros por linha/estação. O jogo tem uma inteligência artificial muito boa, i.e., os comutadores sempre escolhem a melhor rota para os passageiros de maneira autônoma, você não precisa se preocupar com eles, deixando como única preocupação para o jogador os cruzamentos nas estações — para ter certeza que você consegue levar e trazer todos os passageiros nas suas estações através dessas comutações de linhas.Você ainda conta com upgrades de tempos em tempos: mais uma linha até atingir o total de cinco; tuneis adicionais ou um boost em um metrô adicionando mais um vagão e deixando o metrô mais rápido. Todos os upgrades são muito bons e ajudam muito na tarefa de melhorar o seu sistema de transporte, mas, você precisa escolher apenas um por vez e a sua escolhe vai influenciar no tipo de sistema que você vai ter.Cada jogo é bem rápido — a média comigo é de uns 4 ou 5 minutos por partida — e acaba quando uma das estações fica cheia demais por tempo demais, ou seja, suas linhas de metrô não conseguiram suprir a demanda da sua cidade.Resumindo , Mini Metro é um jogo de otimização e gerenciamento de recursos, minimalista e viciante. Ele está atualmente na fase Alpha e se encontra para votação na plataforma Greenlight da Steam e você pode jogar direto pelo browser (necessita da instalação do plugin da engine Unity) ou direto no seu sistema operacional (ele tem versões para os 3 maiores: Linux, Mac OS X e Windows).