Porto Alegre se prepara para entrar na semana que, provavelmente, vai determinar se a cidade vai ou não fazer o seu lockdown. Os leitos de UTI, que vendo sendo o grande norteador das políticas de saúde do SUS, estão perto da saturação, ao mesmo tempo em que o número de óbitos continua crescendo, tanto absolutamente como na média.Tudo isso, contudo, parece não afetar a visão do brasileiro e, particularmente, do porto-alegrense sobre o vírus e seus perigos. Mais de 87 mil mortes são pouca coisa para um povo acostumado ao massacre diário das polícias e do capitalismo. Morrer no Brasil é a regra. Quem vive, já diria Mano Brown, contraria a estatística.Ainda assim, passarei esse texto rápido e traduzido sobre como, na China, uma única pessoa foi capaz de contaminar 71 outras em pouco tempo. Tudo isso apenas porque ambas (caso 0 e caso 1) deixaram de tomar cuidados básicos como higiene das mãos e protocolos sociais como máscaras e o não-uso de elevadores durante a pandemia.** **Como um grande surto de SARS-CoV-2 foi causado por uma viajante assintomática, ChinaJingtao Liu, Jiaquan Huang, and Dandan XiangAfiliações dos autores: Universidade de Medicina de Hubei, Shiyan, China (J. Liu); Universidade de Ciência e Tecnologia Huazhong, Wuhan, China (J. Liu, J. Huang, D. Xiang); Hospital de Tongji, Wuhan (J. Huang, D. Xiang)ResumoUma pessoa assintomática infectada com síndrome respiratória aguda grave causada por coronavírus retornou à província de Heilongjiang, na China, após viagens internacionais. O vizinho da viajante foi infectado e gerou um conjunto de >71 casos, incluindo casos em 2 hospitais. As sequências genômicas do vírus eram distintas dos genomas virais que circulavam anteriormente na China.A doença de coronavírus (COVID-19), causada pela síndrome respiratória aguda grave coronavírus-2 (SARS-CoV-2), se espalhou rapidamente em todo o mundo desde que os primeiros casos foram relatados no final de 2019 ( 1 , 2 ). Antes de 9 de abril de 2020, a província de Heilongjiang, na China, não havia relatado um novo diagnóstico de COVID-19 desde 11 de março de 2020. Em 9 de abril, a SARS-CoV-2 foi diagnosticada em 4 pacientes. Em 22 de abril, mais de 71 pessoas foram infectadas. A origem provável desse surto é um caso importado de um viajante assintomático.Coletamos e analisamos dados epidemiológicos publicados no site da Comissão de Saúde da província de Heilongjiang entre os dias 9 e 23 de abril de 2020 ( 3 ). Definimos os casos confirmados de COVID-19 como pessoas com resultado positivo para SARS-CoV-2 e com sintomas clínicos. Definimos os portadores assintomáticos como pessoas sem sintomas clínicos com resultado positivo para SARS-CoV-2. Nós nos dirigimos aos pacientes através de uma carta para cada família (A — Z, AA — ZZ), depois pela geração de transmissão assumida (1–2) e, finalmente, em ordem sequencial de exposição a pessoas positivas para SARS-CoV-2 nas gerações 1–3.Em 19 de março de 2020, o paciente A0 retornou à província de Heilongjiang vindo dos Estados Unidos; ela foi convidada a se colocar em quarentena em casa. Ela morou sozinha durante sua estadia na província de Heilongjiang. Ela teve testes negativos de ácido nucleico de SARS-CoV-2 e anticorpos séricos em 31 de março e 3 de abril.O paciente B1.1 era vizinho do paciente A0. Eles usaram o mesmo elevador no prédio, mas não ao mesmo tempo e não tiveram contato próximo. Em 26 de março, a mãe de B1.1, B2.2, e o namorado de sua mãe, B2.3, o visitaram e ficaram na casa de B1.1 a noite toda. Em 29 de março, B2.2 e B2.3 compareceram a uma festa com o paciente C1.1 e seus filhos, C1.2 e C1.3.Em 2 de abril, C1.1 sofreu um derrame e foi internado no hospital 1. Seus filhos, C1.2 e C1.3, cuidaram dele na área 1 da enfermaria do hospital. O paciente C1.1 compartilhou a mesma equipe clínica e itens, como micro-ondas, com outros pacientes da enfermaria. Em 6 de abril, o paciente C1.1 foi transferido para o hospital 2 por causa de febre; C1.2 e C1.3 o acompanharam.Em 7 de abril, o paciente B2.3 notou os primeiros sintomas do COVID-19. Ele testou positivo para SARS-CoV-2 em 9 de abril, o primeiro caso confirmado neste surto. Seus contatos íntimos, B1.1, B2.1, B2.2 e C1.1, subsequentemente testaram positivo para SARS-CoV-2 em 9 ou 10 de abril. O paciente C1.1 foi colocado em quarentena no hospital 2 quando deu positivo em 9 de abril. A investigação epidemiológica mostrou que nenhuma dessas 5 pessoas tinha histórico de viagem ou residência em áreas afetadas com transmissão sustentada de SARS-CoV-2 durante os 14 dias antes do diagnóstico, sugerindo que o SARS-CoV-2 veio do contato com outras pessoas.Durante a admissão de C1.1 no hospital 1, um total de 28 outras pessoas, D1.1 — BB1.1, foram infectadas com SARS-CoV-2 na área 1 da enfermaria. Como todos os pacientes da enfermaria conseguiram caminhar pelo hospital, assim, quatro pessoas, CC1.1, DD1.1, EE1.1 e FF1.1, foram infectadas em outras enfermarias e na sala de tomografia computadorizada do hospital 1. Entre os funcionários do hospital 1, 5 enfermeiros e 1 médico foram infectados. No hospital 2, outras 20 pessoas, GG1.1 — VV1.1, foram infectadas na enfermaria onde C1.1 ficou.Em 9 de abril, os investigadores também descobriram que A0, vizinho de B1.1, havia retornado em 19 de março dos Estados Unidos, onde foram detectados casos de COVID-19. Os investigadores realizaram testes de anticorpos séricos para SARS-CoV-2 em A0 em 10 e 11 de abril. A IgM sérica de SARS-CoV-2 foi negativa, mas a IgG foi positiva, indicando que A0 foi previamente infectado com SARS-CoV-2 ( 5 , 6 ). Portanto, acreditamos que A0 era portador assintomático ( 7 , 8 ) e que B1.1 foi infectado pelo contato com superfícies no elevador do prédio onde ambos moravam ( 9 ). Outros moradores do prédio de A0 apresentaram resultado negativo para ácidos nucleicos SARS-CoV-2 e anticorpos séricos.Em 15 de abril, o Centro Chinês de Controle e Prevenção de Doenças sequenciou todo o genoma de 21 amostras desse surto. Os genomas virais eram idênticos em 18 casos e 3 outros casos tinham uma diferença de 1 a 2 nucleotídeos, indicando que o SARS-CoV-2 veio do mesmo ponto de origem. As sequências do genoma viral do surto eram distintas dos genomas virais que circulavam anteriormente na China, indicando que o vírus se originou no exterior ( 10) e sugerindo que o caso A0 foi a origem da infecção desse surto.Todas as pessoas deste surto, incluindo aquelas que viviam na mesma comunidade e tiveram contato próximo com pacientes com SARS-CoV-2 positivo ou visitaram os 2 hospitais nos dias 2 a 15 de abril, foram testadas quanto a ácidos nucleicos e contra anticorpos para SARS-CoV-2. Em 22 de abril de 2020, A0 permaneceu assintomático e um total de 71 casos positivos para SARS-CoV-2 foram identificados no surto.Nossos resultados ilustram como uma única infecção assintomática por SARS-CoV-2 pode resultar em transmissão comunitária generalizada. Este relatório também destaca os recursos necessários para a investigação de casos e os desafios associados à contenção de SARS-CoV-2. Também reforça a necessidade de medidas contínuas para proteger, rastrear e isolar pessoas infectadas como ferramentas essenciais para mitigar e conter a pandemia de COVID-19.O Sr. Liu é um candidato a PhD na Universidade de Ciência e Tecnologia Huazhong. Ele também realiza pesquisas na Universidade de Medicina de Hubei. Seu principal interesse de pesquisa são doenças neurodegenerativas.Linha do tempo da exposição e conexões entre casos de síndrome respiratória aguda grave causada por coronavírus-2 (SARS-CoV-2) entre pessoas na província de Heilongjiang, China. A0 retornou dos Estados Unidos em 19 de março, teve resultado negativo para SARS-CoV-2 e ficou em quarentena em seu apartamento e permaneceu assintomático. No entanto, ainda que a IgM sérica de SARS-CoV-2 fora negativa, a IgG foi positiva em retestes posteriores, indicando que A0 estava previamente infectado com SARS-CoV-2 e provavelmente era um portador assintomático. B1.1, vizinho de A0 no andar inferior, provavelmente foi infectado usando o elevador no prédio depois que A0 o usou.AgradecimentosAgradecemos aos pacientes descritos neste relatório, ao pessoal de saúde que cuidou deles, aos funcionários da Comissão de Saúde da Província de Heilongjiang e aos funcionários do Centro Provincial de Controle e Prevenção de Doenças de Heilongjiang.As opiniões expressas pelos autores que contribuem para esta revista não refletem necessariamente as opiniões dos Centros Chineses de Controle e Prevenção de Doenças ou das instituições às quais os autores estão afiliados.Fonte: Liu J, Huang J, Xiang D. Large SARS-CoV-2 outbreak caused by asymptomatic traveler, China. Emerg Infect Dis. 2020 Sep. https://doi.org/10.3201/eid2609.201798