Vai lá Johnny!

Com o fiasco de Cyberpunk seria interessante que o mercado de jogos, de forma geral (incluindo jogadores, programadores e produtoras) olhasse para o conceito de “mundo aberto” e refletisse se esse tipo de jogo é ideal para todas as franquias.

Deu muito certo com GTA V e Com Zelda Breath Of The Wild, claro. Mas deu terrivelmente errado com Cyberpunk - e porque não dizer com Skyrim e o próprio The Witcher III, uma vez que foram ambos jogos lançados antes de estarem prontos e com inúmeros bugs que impediam, quase sempre, que o jogo fluísse (em ambos os casos, inclusive, quem salvou esses jogos foram as suas comunidades, lançando patchs de correção e melhorias para o PC).

Qual o custo tecnológico e, principalmente, humano de se espremer ao máximo as pessoas em busca de uma experiência não-linear de jogo? Cyberpunk, com sua ótima história, seria pior se fosse linear? Qual o ganho real em ter um jogo de mundo aberto se, quase todos estes, são quase injogáveis no seu lançamento?

A ideia por trás disso pode ser o sucesso de Zelda ou o mesmo de The Witcher, mesmo assim, contudo, Cyberpunk merecia uma narrativa linear sobre a famosa história, que se alicerça sob os ombros de gigantes da literatura moderna como William Gibson, de uma futuro distópico [será que ainda é?] que é controlado por megacorporações capitalistas que exploram seus funcionários até a última gota de sangue.

Abaixo a tradução do artigo da Bloomberg sobre a reunião (que deve ter sido maravilhosa) dos diretores da CDPR com os seus programadores. Eu quase consigo sentir o ar pesado que antecede essas reuniões sobre fracasso (em termos).


Desenvolvedora de Cyberpunk enfrenta funcionários hostis após falha no lançamento

Por Jason Schreier 18 de dezembro de 2020 13:25 BRT

Uma rebelião se iniciou e está no ar na produtora polonesa CD Projekt SA depois que o título mais recente deles, o altamente antecipado e três vezes atrasado, Cyberpunk 2077, foi lançado sob críticas contundentes apontando as diversas falhas tanto em relação aos gráficos como em relação à jogabilidade.

Funcionários frustrados e furiosos dispararam perguntas ao conselho durante uma videoconferência interna na quinta-feira, que começou com a administração se desculpando pelo lançamento desastroso do jogo, de acordo com duas pessoas presentes. Era uma atmosfera adequada para uma empresa cujo slogan, estampado em cartazes em todo o seu escritório em Varsóvia, é “Somos rebeldes”.

Os desenvolvedores fizeram perguntas diretas sobre a reputação da empresa, os prazos irrealistas do jogo e as prorrogações implacáveis nos meses e anos que antecederam o lançamento do jogo em 10 de dezembro.

A reunião ocorreu antes do anúncio chocante da Sony Corp de que estava retirando Cyberpunk 2077 da Playstation Store e que oferecerá reembolso total a qualquer cliente que solicitar um. Durante a reunião de equipe, os diretores da CD Projekt disseram que chegaram a um acordo com a Sony, mas não ofereceram detalhes. Em um post no Twitter na sexta-feira, a empresa disse que “após nossa discussão com [a equipe da] Playstation [Store], foi tomada a decisão de suspender temporariamente a distribuição digital” do jogo.

Uma porta-voz da CD Projekt disse que a empresa não comentaria as discussões da reunião interna.

Cyberpunk 2077 é um dos maiores jogos do ano e tem sido um sucesso financeiro, vendendo mais de 8 milhões de cópias e batendo recordes de vendas de jogos para PC. Mas os jogadores acharam o jogo cheio de bugs, especialmente nos consoles Playstation 4 e Xbox One, de penúltima geração, fazendo com que as ações da CD Projekt despencassem e levando fãs e críticos a descrever Cyberpunk 2077 como inacabado. As ações da CD Projekt caíram 12% em Varsóvia na sexta-feira, pontuando um declínio constante neste mês que, inclusive, acabou eliminando os ganhos do ano.

Durante o desenvolvimento de Cyberpunk 2077, a equipe suportou vários períodos de extensas horas extras, incluindo semanas obrigatórias de seis dias para terminar o jogo, segundo informaram à Bloomberg. Quando questionados sobre esse momento crítico na sessão de perguntas e respostas, os diretores disseram que tinham planos para melhorar as práticas de produção no futuro, mas não entraram em detalhes, de acordo com uma pessoa que estava lá.

Um funcionário perguntou ao conselho por que havia sido dito em janeiro que o jogo estava “completo e jogável” quando isso não era verdade, ao que o conselho respondeu que assumiria a responsabilidade [pela declaração]. Outro desenvolvedor perguntou se os diretores da CD Projekt não achavam hipócrita fazer um jogo sobre exploração corporativa enquanto esperavam que seus funcionários trabalhassem por longas períodos de horas extras. A resposta foi vaga e evasiva.

Muitos observadores da indústria se perguntam por que Cyberpunk 2077, que foi anunciado pela primeira vez em 2012 e foi adiado três vezes em 2020, ainda parece estar inacabado. Vários funcionários atuais e ex-funcionários que trabalharam no Cyberpunk 2077 disseram a mesma coisa: os prazos do jogo, estabelecidos pela diretoria, sempre foram irrealistas. Ficou claro para muitos dos desenvolvedores que eles precisavam de mais tempo.

- Com a ajuda de Konrad Krasuski