Precisamos falar sobre Paulo Guedes

No último vídeo do Canal Meio, Pedro Dória colocou na mesa a possibilidade de que o presidente Bolsonaro tenha alguma doença mental — ou um déficit cognitivo.

Image for post

Sequencia de matéria do G1

Diante das constantes ações de boicote à vacina, da paranoia que o move, da incapacidade de suportar a pressão do cargo de presidente de um país do tamanho e da importância do Brasil e, principalmente, pela alimentação da contraposição com o PT e com tudo o que remeta ao partido.

Todos os países do mundo estão correndo pela vacina, Bolsonaro, com sua sede de sangue de pobre, ignora isso e coloca dúvidas sob o processo de vacinação. Mais do que isso, desde o inicio da pandemia incita as pessoas a não usarem máscara e saírem de casa, ignorando o isolamento que todos deveríamos estar praticando.

Bolsonaro nega a realidade, por mais cruel que ela seja (com o povo).

Mas ele é um fantoche. Um boneco que tem carisma com a população e apelo com os mais velhos. Quem comanda a máquina de matar pobres é outra pessoa.

Sentado na “agenda FIESP”, Paulo Guedes flana pela vida pública com sua cartilha amarelada da escola de Chicago debaixo do braço. Brada para todos que o Brasil se recupera em “V” (mentira) e que o único modo de acelerar essa recuperação é com medidas contracionistas (é o oposto disso) e reformas profundas que acentuam a desigualdade do país. Absurdamente, contudo, enquanto Bolsonaro derrete na imprensa e é atacada ferozmente por todos os meios de comunicação, Guedes passa batido. Ele mantém-se com uma aura de intelectual, de economista, de investidor. Ao mesmo tempo que apoia projetos que visam apenas beneficiar ricos e amigos, Guedes se blinda ao olhos da grande imprensa lhe servindo de porta-voz, dizendo o que ninguém quer dizer: que o povo se exploda.

Image for post

Revista Veja, sobre o jantar de Paulo Guedes com a FIESP

Guedes janta com a FIESP, afaga a mídia liberal, abraça quem precisar para se manter à frente da economia enquanto o povo luta por Bolsonaro (contra e à favor) como se esse fosse o verdadeiro problema do governo.