Findada a rodada derradeira do brasileirão COVID 2020/2021, o Inter, ainda que fiasquentamente, receberá 31.3 milhões de reais de prêmio. Melhor do que o ano passado, claro, mas ainda assim o que mais amarga é o título.

Mas como eu achei muito pouco (Flamengo receberá 33 milhões de reais) eu resolvi is atrás dos prêmios das competições do mundo pra ver se o Brasil é defasado ou se é apenas um dos grandes problemas da discrepância entre Europa (UEFA) e América do Sul (CONMEBOL).

Primeiro os nacionais:

CAMPEONATO PREMIAÇÃO
PAULISTÃO 5 MILHÕES
CARIOCA 3,5 MILHÕES
MINEIRO SOMENTE COTA
GAÚCHO SOMENTE COTA
COPA DO BRASIL 54 MILHÕES
BRASILEIRÃO 33 MILHÕES

Já nos estaduais existe uma clara discrepância no prêmio. SP e RJ pagam um prêmio em dinheiro somado às cotas de TV. No Mineiro e no Gaúchão não existe isso, apenas cotas. No ano passado o Grêmio ganhou R$12 milhões pelas cotas de TV do campeonato, mesmo valor pro Inter (vice-campeão). O Cruzeiro, em 2019, levou R$12,7 milhões.

Ainda, cabe salientar, o campeonato gaúcho tem uma premiação extra pro campeão do interior. No caso do Esportivo, foram R$300 mil.

Nas outras divisões do futebol brasileiro a situação não é melhor. Por exemplo, não existe premiação para as séries abaixo da A, oficialmente, dada pela CBF. A Rede Globo acaba dando as cotas que são rateadas entre todos os clubes de forma igual. Em 2019 o prêmio pela série B foi de R$6 milhões por equipe.

Mas vamos comparar com os prêmios continentais e mundiais.

CAMPEONATO PREMIAÇÃO CONVERSÃO
LIBERTADORES US$22,5 MILHÕES R$125 MILHÕES
SULAMERICANA US$6 MILHÕES R$33 MILHÕES
CHAMPIONS €127 MILHÕES R$856 MILHÕES
LIGA EUROPA €8,5 MILHÕES R$54 MILHÕES
MUNDIAL €5 MILHÕES R$33 MILHÕES

Vale lembrar que a UEFA distribuí exatamente US$1.3 bilhões ao longo de toda a Champions League (desde as suas fases preliminares até a final).

Olhando os valores finais fica fácil entender porque o futebol europeu domina o mundo. A sua premiação 6,8 vezes maior no campeonato continental. Um clube sul-americano precisaria ser heptacampeão da libertadores para conseguir o prêmio que Bayern conseguiu em 2020.

Mas continuando, e se a gente pegar os valores dos campeonatos nacionais principais da Europa e da América, como fica? A situação não é exatamente melhor.

CAMPEONATO PREMIAÇÃO CONVERSÃO
PREMIER LEAGUE £38 MILHÕES R$300 MILHÕES
LIGUE 1 €65 MILHÕES R$438 MILHÕES
BUNDESLIGA €37 MILHÕES R$250 MILHÕES
LA LIGA €150 MILHÕES R$1,1 BILHÃO
SERIE A €30 MILHÕES R$200 MILHÕES
BRASILEIRÃO   R$33 MILHÕES

Coloquei o brasileirão ali embaixo para dar uma noção de como as coisas são discrepantes em relação ao futebol europeu com o brasileiro. Mas precisamos antes fazer uma bela ressalva às premiações da Europa. Por lá todas as principais ligas tem uma divisão parecida: 50% do valor total arrecadado entre cotas é dividido igualmente entre os clubes. 25% é dividido de acordo com a colocação das 5 últimos ligas e os 25% restantes é dividido de acordo com a colocação dessa liga. Sendo assim, a premiação absurda da La Liga (ESP) pro campeão é algo que se dilui entre eles (ele ganhou, afinal, pouco mais de 25% a mais do que os outros, que ainda assim receberam mais dinheiro do que o campeão brasileiro).

Esses valores ainda podem variar um pouco, por exemplo, na Bundesliga a cota repartida entre todos os clubes é de 65% e o resto é mérito na temporada (colocação na liga).

Mas vamos olhar mais atentamente pro nosso quintal na América do Sul.

COMPEONATO PREMIAÇÃO CONVERSÃO
ARGENTINA $97 MILHÕES R$27 MILHÕES
URUGUAI $115 MILHÕES R$15 MILHÕES
PARAGUAI ₲18 MILHÕES R$16 MILHÕES

Sim, olhando pra tabela de premiações (não achei as premiações pro campeão do Chile, Bolívia, Peru e Colômbia) percebe-se que o Brasil paga um prêmio bastante bom em relação aos vizinhos.

Se formos pegar a América do Norte, a MSL (EUA) tem como prêmio total (pro campeão geral, somando as duas conferências) um total de US$10 (R$56 milhões) enquanto que a Liga MX paga US$55 milhões (R$307 milhões). Em ambos os casos maiores premiações que a brasileira, mesmo em um país onde não existe cultura de futebol como nos EUA.

Se você fizer as contas, um campeão espanhol que ganhe tudo no ano, como o Real Madrid fez pelo menos três vezes, leva pra casa algo ao redor de R$2.2 bilhões. Mas usando valores mais recentes, o Bayern levou, por exemplo, R$1.1 bilhão esse ano (no ano passado, o Liverpool levou R$1.2 bilhão). Comparando com o quanto o Flamengo de 2019 levou R$178 milhões (contando o vice mundial).

Em resumo, não tem como, num futuro próximo, qualquer time de fora da Europa romper com a hegemonia eles no esporte. Não existe como brigar com o dinheiro que jorra de locais pouco adeptos às leis para comprar times inteiros e muito menos com as premiações gordas e generosas que são dadas lá graças ao centralismo europeu criado pelo dinheiro, e, em grande parte, pela imprensa do Brasil e do mundo. A nossa tarefa, aqui no lado pobre, é conseguir jogar de igual pra igual mesmo e nos contentarmos com a possibilidade de ganhar um campeonato brasileiro ou uma libertadores de vez em quando, aproveitando que o Brasil ainda é o grande país da América do Sul (em breve as derrotas para times da Liga MX podem se tonar comuns).